br.abravanelhall.net
Novas receitas

Great American Beer Festival: 5 coisas que amamos

Great American Beer Festival: 5 coisas que amamos


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.


Vários membros da equipe do The Drink Nation participaram do Great American Beer Festival deste ano em Denver, que é o maior beerfest da América. Nos juntamos a 49.000 outros detentores de ingressos (incluindo o vencedor do concurso) no Colorado Convention Center para provar as 2.700 cervejas diferentes servidas no evento. É um empreendimento gigantesco por parte do Brewers Association, o grupo da indústria que organiza o festival, mas que funciona muito bem pelo seu tamanho. Aqui estão cinco coisas que amamos no festival.

1) Os voluntários: Uma vez que nem todas as cervejarias têm tempo ou recursos para enviar um complemento completo de trabalhadores para um fim de semana inteiro, cada estande é composto por pelo menos quatro voluntários (vezes 580 cervejarias, isso é mais de 2.300 pessoas). Esses habitantes de Denver não recebem nenhuma compensação além de poderem entrar no festival, todos fizeram um ótimo trabalho em lidar com os participantes cada vez mais embriagados enquanto tentavam responder a perguntas sobre as cervejas que estavam servindo - a maioria era bem informada, graças às sessões de treinamento e apenas um amor de boa cerveja.

Nota lateral: uma coisa que os voluntários geralmente não sabiam era o nome da cervejaria que eles procuravam no Twitter, uma informação útil se você quisesse compartilhar alguns adereços sobre uma grande descoberta nova. No próximo ano, seria ótimo se a Associação dos Cervejeiros imprimisse essas informações no cartaz com o título que fica pendurado sobre cada estande.

2) O Layout: Como nos anos anteriores, a natureza avassaladora do festival foi facilitada pela organização inteligente das cervejarias em seções regionais, cada uma com sua própria cor de drapeado. Procurando sua cervejaria favorita no meio do Atlântico? Vá em direção ao amarelo. Procurando aquela roupa matadora de Portland sobre a qual você tanto ouviu falar? Atravesse a sala para as arquibancadas vestidas de vermelho. O próprio Denver se alinhava na área nos fundos, pela maioria dos vendedores de comida, e ficava lotado durante a noite.

3) A Mesa de Queijos: por falar em comida, havia várias maneiras de adicionar comida à sua experiência de festa, mas a nossa favorita era a longa mesa criada pelo American Cheese Society. Foi o terceiro ano em que a organização trouxe pedaços de queijo para combinar com toda a cerveja, e eles entregaram com talento. Mais de 650 libras de queijo foram servidos em cremes vindos de Utah, New Jersey, Idaho, Missouri e outros, incluindo esteiras de queijo Vermont, Wisconsin e Nova York. Embora a linha fosse longa, os servidores fizeram um bom trabalho em garantir que ela se movesse rapidamente.

4) The Silent Disco: Perto da tenda Oskar Blues, você pode ter um vislumbre do que pode ser facilmente confundido com pessoas tendo convulsões estranhamente rítmicas e altamente divertidas. Olhando mais de perto, você percebe os fones de ouvido e, em seguida, percebe que tudo faz parte da discoteca silenciosa. Não havia nenhuma cobrança, e assim que você entra na pequena praça e coloca os protetores de ouvido, você está em um clube secreto de gente balançando ao som de uma música de DJ que ninguém mais pode ouvir. Foi uma ótima distração para os participantes e espectadores.

5) Governador John Hickenlooper: Embora o presidente Barack Obama tenha recebido muita imprensa para o Cerveja caseira da Casa Branca, O governador do Colorado realmente faz sua própria cerveja. Ele comparece ao festival anualmente, e nós o ouvimos falar no almoço para a mídia na sexta-feira à tarde. Não há dúvida de que Hickenlooper é apaixonado pela indústria cervejeira artesanal, e seu entusiasmo tem sido muito bom para o GABF e para aqueles que gostam de beber cerveja de verdade, onde quer que ela seja encontrada.

Tiremos o chapéu para a Associação dos Cervejeiros. Estamos ansiosos por 2013!

- Danya Henninger, The Drink Nation

Mais do Drink Nation:

Avaliação da cerveja: Narragansett Fest Lager
Os hábitos de beber de James Bond de 1962 até o presente
Como beber vinho: 4 dicas de degustação


Por que minha cerveja favorita está morta?

Você pode precisar se sentar para isso. Algum dia, sua cerveja Saint Arnold favorita pode ir embora. Para todo sempre.

Não é porque não amamos. Sério. Quando desenvolvemos uma cerveja em Saint Arnold, queremos que todas floresçam. Passamos meses - às vezes até anos - desenvolvendo-os. Os cervejeiros têm receitas que chegam até eles em sonhos (como o Daydream), outras são cervejas experimentais servidas a funcionários dispostos em nossa festa anual de Natal (como a French Press). Eles incluem pesquisa e desenvolvimento, fornecimento meticuloso de matérias-primas, design de rótulos, alinhamento de preços, apresentações para distribuidores e varejistas, planos de vendas e marketing, cerveja artesanal, embalagem precisa e logística. Para desenvolver e lançar uma cerveja leva toda a vila de Saint Arnold.

Então, quando decidimos que chegou a hora de uma cerveja, não é porque achamos que é divertido. Afinal, colocamos para descansar uma cerveja que conquistou quatro medalhas no Great American Beer Festival, incluindo uma de ouro (Weedwacker). No final do dia, as cervejas vivem e morrem de acordo com a demanda do consumidor.

Por favor, enxugue suas lágrimas e aguarde nossa explicação, por mais dolorosa que seja.

Na cervejaria, temos uma capacidade limitada. Esta capacidade é dividida em tanques de diferentes tamanhos. Nossas maiores marcas, como Art Car IPA, Lawnmower e Seasonal, normalmente residem em fermentadores de 240 barris. Marcas menores ocupam espaço em fermentadores de 120 barris. Fazemos 13 cervejas o ano todo, cinco cervejas sazonais e pelo menos dois lançamentos especiais anuais. Para fazer todas essas cervejas, são necessários muitos tanques e muita logística.

Sendo um produtor de cerveja artesanal de orientação local, valorizamos a frescura. Como não pasteurizamos ou usamos conservantes em nossa cerveja, gostamos que nossas cervejas sejam colocadas e retiradas da prateleira dentro de 90 dias após o empacotamento. Se e quando uma marca de cerveja não consegue mais vender até 120 barris de volume em um período de 90 dias, isso se torna um problema de eficiência e capacidade. Nossas instalações são construídas para funcionar com eficiência em lotes de 240 e 120 barris de cerveja - não em lotes de 90, 60 ou 30 barris.

Esses são apenas os problemas internos com marcas em desaceleração. Existem também forças externas em mãos.

Temos muitos grandes parceiros varejistas que desenvolveram maneiras sofisticadas de criar uma variedade de produtos em suas prateleiras. Se uma cerveja não está sendo comprada por nossos clientes a uma taxa que lhes dá lucro suficiente, dado o valor de seu espaço, eles decidirão, de forma bastante justa, não estocá-la mais. Se uma de nossas cervejas vai muito bem, ela vai lhe dar mais espaço na prateleira ou solicitar que produzamos extensões de embalagem como 12 embalagens ou latas de 19,2 onças.

Assim que colocamos uma cerveja na prateleira de seu varejista favorito, só podemos tomar medidas limitadas para aumentar a taxa de venda, e fazemos isso sempre que podemos (coisas como amostras na loja, promoção de mídia social e eventos na cidade).

O que realmente importa é uma massa crítica de consumidores comprando a cerveja. Precisamos de consumidores suficientes para comprar 120 barris (ou mais!) Dentro de 90 dias de uma cerveja para criar o lugar feliz da cerveja fresca, varejistas satisfeitos e uma operação comercial eficiente na Avenida Lyons, 2000.

Portanto, confie em nós quando dizemos que amamos Texas Wheat, Winter Stout, Weedwacker e Endeavour tanto quanto você, mas, infelizmente, não havia o suficiente de nós. Talvez um dia o próprio Santo Arnaldo encherá sua caneca com sua cerveja favorita de ontem. Até lá, dê o seu melhor para encontrar alegria nas cervejas que estão com você, e lembre-se com carinho dos bons momentos que compartilhou com as cervejas do passado. Trate as cervejas que estão na prateleira como amigas que precisam do seu amor e carinho. Convide seus amigos e familiares para vivenciá-los e tudo o que eles têm a oferecer. Afinal, o tempo deles conosco pode ser limitado. Depende realmente de você.


Melhor geral: Alchemist Heady Topper

Região: Vermont | ABV: 8% | Notas de degustação: toranja, pinho, lúpulo amargo

A tradição em torno do Topper Inebriante do Alquimista poderia encher um livro. As principais conclusões são que foi a cerveja que ajudou a lançar a mania IPA, especialmente quando se trata de colocar uma cerveja em uma lata em vez de uma garrafa. Isso foi em 2011, mas hoje a cerveja ainda permanece como o epítome da grandeza do IPA duplo, com seus sabores de grapefruit e pinho característicos que terminam com uma boca cheia de amargor de lúpulo.


2016 Great American Beer Festival: A Homebrewers & # 8217 Recap

Mais um ano incrível terminou com o The Great American Beer Festival! Se você estava acompanhando no Twitter ou Facebook, provavelmente viu pelo menos um de seus amigos participando. Como um dos maiores festivais de cerveja dos Estados Unidos, nunca para de me surpreender com o entusiasmo dos nerds da cerveja de todos os lugares. Na verdade, este ano foi extremamente importante para mim como cervejeiro caseiro, participei do meu primeiro concurso Pro-Am do Great American Beer Festival.

A competição Pro-Am deste ano foi completamente nova para mim, então tudo, desde o processo até como a competição funcionava, era muito obscuro. Minha entrada original, Marlene, uma Hill Farmstead inspirada IPA, foi um IPA de corpo médio empurrando sabor e aroma de maracujá, pinho, bagas e características terrosas calculando em 8,2% (que você pode encontrar a receita: Receita de Homebrewing: Chasing Hill Farmstead, A Double IPA). O objetivo dessas cervejas era desenvolver uma dupla IPA levemente amarga que estivesse puxando mais uma cerveja encorpada inspirada na costa leste. Quando ganhei pela primeira vez esta Competição Sancionada AHA / BJCP com meu clube caseiro, OC Mashups, fiquei definitivamente animado e honrado em representar o Barley Forge, assim como o clube.

Como o dia da cerveja veio rapidamente, 3 dias após o anúncio do prêmio, eu e o presidente do nosso clube, Sean, começamos a preparar. Faltando apenas 12 dias para o prazo, tínhamos uma janela de tempo extremamente pequena para que essa cerveja fosse tirada e servida ao público. Embora a data de colheita do público fosse muito anterior à competição real, eu estava definitivamente um pouco preocupado com a vida útil desta cerveja. Uma vez que a cerveja foi fabricada originalmente em 3 de agosto, parece estranho que ela seja levada rapidamente (ou seja, & # 8220As cervejas inscritas no concurso GABF Pro-Am devem estar disponíveis comercialmente. Disponível comercialmente significa que a marca inscrita está disponível para venda no varejo em 15 de agosto de 2016 e # 8221). Além do mais, ao ter essa cerveja julgada um mês depois desse ponto (em algum momento de setembro), ficou claro que essa cerveja maravilhosa poderia não ser consumida no estado ideal. Por fim, ter servido esta cerveja quase dois meses após a data inicial de batimento da cerveja # 8217 foi difícil de suportar, pois eu sabia o quão incrível esse lote caseiro fresco era inicialmente.

Claro, minha primeira parada no Great American Beer Festival foi a ansiosa expectativa de provar minha criação caseira, eu encontrei meu caminho para o estande Pro-Am. Quando minha esposa e eu nos separamos para cobrir nossas bases, notamos uma lista de cervejas caseiras por número de torneira. Quando o número 3 apareceu na lista, foi um momento de choque para mim saber que minha própria receita caseira estava disponível e meu nome está em um pedaço oficial da história do GABF. Depois de provar o meu primeiro gole, tive uma sensação mista em relação ao estado atual das cervejas. No início, o aroma do lúpulo caiu bastante, o que eu esperava neste momento, mas considerando o lúpulo seco de 1,6 onças / galão, eu ainda estava um pouco triste por ele não durar mais. No geral, a cerveja resistiu aos elementos e o sabor ainda estava infundido com a cerveja e eu gostei muito de ter minha cerveja na torneira. No final, meu IPA da costa leste acabou tendo um gosto um pouco mais parecido com algo no meio-oeste com uma presença de malte mais forte.

Enquanto minha esposa me encorajava a tirar algumas fotos com minha cerveja, fui saudado por alguns participantes do GABF que estavam em êxtase com minha cerveja e só tinham as melhores coisas a dizer sobre ela. Já que eu sou definitivamente meu crítico mais severo, isso definitivamente me deixou mais à vontade, já que ainda estava sendo servido para nerds de cerveja. Em um minuto, recebi um aceno de John Moorhead, Coordenador do Projeto da AHA / Diretor do NHC e pude apresentar a ele meu feedback e agradecê-lo por tudo o que ele fez pela AHA e pelo NHC. (Ele foi legal o suficiente para até mesmo me enviar meu crachá amarrado a Marlene)

Começando no sábado com a épica cerimônia de premiação, o nervosismo começou a se instalar. Felizmente, eles colocaram os vencedores do concurso Pro-Am em primeiro lugar.

Concurso Pro-Am do Great American Beer Festival & # 8211 88 inscrições patrocinadas por Briess Malt & amp Ingredients Co., The Country Malt Group, Yakima Chief-Hopunion e White Labs

Ouro: Just Rye’te, Panther Island Brewing Co., Fort Worth, TX Brewmaster Panther Island Brewing, membro da AHA Clifton Ellis

Prata: Vernal Equinox, Starr Hill Brewery, Crozet, VA Brewmaster Starr Hill Brewing Team, AHA Member Gary Layton

Bronze: The Kolsch Experiment, Altitude Chophouse and Brewery, Laramie, WY Brewmaster Jesse Brown, AHA Member Shawn Miller

Embora eu não tenha vencido, estou extremamente humilde com a resposta que recebi de Marlene. Não posso agradecer ao meu clube, Barley Forge, e à AHA por realizar este evento e permitir que os cervejeiros caseiros mostrem suas próprias receitas ao lado de algumas das cervejarias mais procuradas.

Seguindo em frente, acabamos nos encontrando com meu clube caseiro durante a sessão de sábado da AHA para continuar as travessuras.

Assim que a foto obrigatória OC Mashups GABF foi tirada, paramos em uma das cervejarias favoritas deste GABF, Black Project. Como um grande apoiador do grupo Milk The Funk no Facebook, é quase incrível ver nossas raízes caseiras se tornarem uma profissão. Isso é exatamente o que James Howat fez. De hospedar uma partilha de garrafa de MTF aparentemente épica + tacos (que eu infelizmente perdi) para provar suas cervejas fermentadas espontâneas feitas para uma parada incrível (embora eu tenha feito cerca de 6 paradas atrás de seu estande).

Depois de pegarmos algumas cervejas, acabamos indo para o Brewer & # 8217s Studio, apresentado pela sempre incrível Brewing Network, que estava hospedando & # 8220Spontaneous Fermentation Tasting & # 8221 with Jeffery Stuffing de Jester King & amp Chase Healey da American Solera. No geral, um insight maravilhoso de como os usuários podem impulsionar uma fermentação alternativa em escala caseira. Certifique-se de verificar com a Brewing Networks para ver se esta sessão será arquivada.

Para encerrar o final de semana ideal de mais um ano incrível no Great American Beer Festival, decidi parar e agradecer aos meus ídolos da cerveja artesanal por compartilharem seus conhecimentos com o mundo. Eu terminei com uma nota tão alta conhecendo Jamil Zainasheff, Gordon Strong e Randy Mosher, (bem como Gary Glass na GABF Media Conference). Cada pessoa teve um impacto extremo na qualidade da minha cerveja caseira, o que está me dando confiança para compartilhar minha experiência, receitas e muito mais neste blog, então não posso agradecê-los o suficiente.

Para aqueles que já estão ansiosos pelo próximo ano (como eu), as datas provisórias para o Great American Beer Festival 2017 são de 5 a 7 de outubro de 2017!


Great American Beer Festival: 5 Things We Loved - Recipes

Como muitas pessoas hoje em dia, estamos tentando reduzir o consumo de álcool em minha casa & # 8230

Já se passaram cerca de cinco anos desde que decidi limitar o consumo de bebidas aos fins de semana, um compromisso que consegui cumprir em grande parte porque, embora tenha desistido do álcool, não desisti do ritual. Ou seja, eu ainda faço questão de me servir de algo para beber todas as noites da semana & # 8212, simplesmente não é & # 8217t a bebida bebida. Gosto de coisas que posso preparar, como um coquetel de arbustos ou um seltzer com uma dose generosa de frutas cítricas frescas, mas, ocasionalmente, vou me juntar a meu marido, que descobriu uma afinidade por cervejas sem álcool.

Nós também não estamos sozinhos. Em 2020, embora o mundo em geral estivesse brincando sobre ser afundado na quarentena, descobriu-se que as vendas de cervejas sem álcool aumentaram 38%. Acho que também ajudou o fato de as prateleiras dos supermercados repentinamente apresentarem opções além do O & # 8217Doul & # 8217s & # 8212, tanto dos gigantes comerciais (Bud, Heineken, etc.) quanto dos menores, operações artesanais com latas artísticas (como a Athletic Brewing Company).

Naturalmente, achei crucial para nossa missão descobrir qual cerveja de NA era a melhor. Então, eu me virei para Kate Bernot, jurada de cerveja certificada (!), Repórter de cerveja e contribuidora do Good Beer Hunting, e pedi a ela para ser a juíza de um teste oficial, embora decididamente não certificado, de degustação de Cup of Jo.

Como Kate mora em Missoula, Montana, e está fazendo isso sozinha, nós relaxamos as regras rigorosas usuais. A degustação não seria cega, eu não estaria rabiscando notas e estudando sua expressão enquanto ela bebia. Ela testou seis marcas no total, o que, no geral, representou um bom espectro do mercado atual de cervejas não alcoólicas. Em suas palavras: & # 8220O & # 8217Doul & # 8217s é a oferta da velha escola Heineken é uma das cervejas da NA mais vendidas no país. Athletic Brewing Co. é a marca artesanal mais popular da NA Samuel Adams é nova e amplamente disponível no Brooklyn foi uma das primeiras cervejarias artesanais a lançar uma cerveja NA e a cerveja Two Roots NA é uma de uma marca artesanal e ganhou medalhas no Great American Beer Festival, então achei que seria útil incluir um & # 8216-premiado & # 8217 exemplo. & # 8221

Durante a degustação, Kate se concentrou em alguns fatores previsivelmente científicos (cor, aroma, textura, efervescência), bem como alguns menos científicos (é bom beber enquanto assiste ao jogo?). Eu tinha apenas uma exigência: por mais pessoal que seja a decisão, escolha um vencedor!

Aqui & # 8217s, onde ela desceu sobre cada um.

Efeitos Especiais (Cervejaria do Brooklyn)
Preço: $ 12,99 / pacote de seis
Notas de degustação: Esta "bebida fermentada de lúpulo não alcoólica" é a mais escura do grupo & # 8212 na cor caramelo, como uma cerveja âmbar. O aroma inicialmente oferece muitos aromas de nozes e pão integral, mas esses são rapidamente dominados por lúpulos amadeirados e terrosos. Infelizmente, o sabor é menos rico e maltado do que eu esperava com base naquele aroma de noz e pão. Há um pouco de doçura de caramelo no gole, mas o sabor mais proeminente são aqueles lúpulos levemente pinho. A textura é um pouco fina para mim & # 8212 é mais próxima de uma cerveja light no corpo, mas sem a carbonatação significativa de, digamos, uma Coors Light. No geral, está tudo bem. Isso me lembra uma cerveja âmbar muito tradicional. Certamente é potável, mas não é algo que eu gostaria de beber continuamente.
Pontuação geral: 3/5

Heineken 0.0
Preço: $ 7,99 / pacote de seis
Notas de degustação: Esta se parece com a versão da Heineken que você já conhece: brilhantemente clara e cor de palha. Ele exala um aroma muito doce de malte, como o cereal Kix com um aroma de casca de maçã vermelha & # 8212 Estou surpreso com o quão doce e frutado ele cheira. Isso segue no gole, é a mais doce e mais frutada de todas as cervejas que experimentei. Mesmo que não haja fruta nele, ele tem uma forte nota de pêra ou maçã com apenas um pouco de amargor no final. Se você está acostumado a beber cervejas populares ou mesmo importados mexicanos de cor clara, esta cerveja provavelmente teria um gosto bastante familiar. A textura é muito leve, mas com boa efervescência e um final vivo e nítido. Este é um dos mais “chuggable” de todas as opções & # 8212 você poderia facilmente beber alguns destes enquanto assiste futebol e não se sentir muito cheio.
Pontuação geral: 2,5 / 5

Cerveja Não Alcoólica O'Doul’s Golden
Preço:
$ 6,79 / pacote de seis
Notas de degustação: Esta cerveja superclara e cor de palha não cheira muito. Eu realmente tenho que enfiar meu nariz fundo no vidro para encontrar algum aroma. Finalmente pego um leve perfume de Cheerio, mas não muito mais. Mesmo que as pessoas gostem de zombar de O'Doul's, isso tem um gosto melhor do que eu me lembrava. É suave, com um sabor simples de Cheerio. Esta é a menos saborosa e mais fácil de beber de todas as cervejas até agora. Não é nada notável e inofensivo, provavelmente tem o gosto do que a maioria das pessoas pensaria como "cerveja". Eu não gosto disso, é extremamente suave e direto.
Pontuação geral: 3/5

PRIMEIRO RUNNER-UP
Upside Dawn (Athletic Brewing Co.)

Preço: $ 12,99 / pacote de seis
Notas de degustação: Esta ale dourada é, sim, de cor dourada clara e bastante límpida. Tem um aroma muito calmo com um pouco de nota de limão, alguma crosta de pão macia por baixo. É sutil, mas fresco, forte e convidativo. Esses maltes bready definitivamente perpassam no sabor o gole é realmente elegante e não muito pesado. Tem gosto de uma cerveja loira ligeiramente mais rica ou de uma cerveja de trigo light, com apenas um toque de acidez cítrica no final, suave e sutil. Esta cerveja é acessível e fácil, com uma textura suave e médio-leve. Você poderia servir para seus amigos que não têm certeza se gostam de cerveja, e aposto que eles ficariam felizes.
Pontuação geral: 4/5

SEGUNDO VICE-CAMPEÃO
Enough Said Helles (Duas Raízes)
Preço:
$ 11,99 / pacote de seis
Notas de degustação: Quando eu sirvo esta cerveja dourada levemente turva, posso realmente sentir o cheiro do malte pilsner! Para mim, isso tem cheiro de brioche ou pão chalá & # 8212 macio, rico e elegante. Quase não há lúpulo no aroma, apenas um leve tom terroso. O malte pilsner continua com o sabor, que tem gosto de pão branco simples ou algum tipo de biscoito sem sabor. Os lúpulos amadeirados e apimentados chegam ao final e fecham o gole com um amargor firme. O melhor de tudo é a textura! É mais cheio do que a maioria das cervejas sem álcool que já bebi, oferecendo alguma substância real para o gole, não apenas água com lúpulo. Esta é a cerveja que você deve comprar se sua maior reclamação sobre a cerveja sem álcool é que ela é muito aguada ou rala. No geral, eu gosto muito disso. Eu ficaria feliz bebendo isso em um churrasco no quintal com hambúrgueres ou tacos. Eu vejo porque isso ganhou a medalha de ouro do Great American Beer Festival na categoria de cerveja sem álcool.
Pontuação geral: 4/5

VENCEDORA.
Just The Haze (Samuel Adams)
Preço: $ 8,79 / pacote de seis
Notas de degustação: Este turvo IPA tem uma cor semelhante à mimosa e até mesmo no aroma. Tem um cheiro grande, cítrico e brilhante que posso cheirar enquanto o despejo. Isso me lembra os cremes de laranja, mais como um coquetel do que uma cerveja. É o mesmo no sabor & # 8212 o IPA é laranja suculento, limão, um pouco tropical e delicioso. (Vibrações de brunch!) Maltes macios por baixo criam um gole realmente suave e coeso. A textura é lisa e aveludada, com bom peso. Este é um IPA muito bem feito! Se uma cervejaria me servisse isso e não me dissesse que era sem álcool, eu não teria ideia.
Pontuação geral: 5/5

Muito obrigado, Kate! Você tem uma cerveja sem álcool ou outra bebida favorita? Por favor nos fale sobre isso.


GABF 2012: Nós amamos você

Grande Festival Americano da Cerveja. O nome já diz tudo. Caramba, vou me arriscar e dizer que essas quatro palavras amarradas nessa ordem são quase poéticas. Todos os anos, muitas das maiores cervejarias do país descem a Denver para uma cerveja por três dias, para o deleite dos mais de 49.000 participantes em êxtase que têm a sorte de conseguir ingressos. Além de servir cerca de 36.000 galões de cerveja (confira algumas outras estatísticas interessantes do GABF da Associação dos Cervejeiros), isso também é a principal competição de julgamento de cerveja para cervejarias dos EUA. E embora nem sempre saiamos enfeitados com medalhas brilhantes, SEMPRE nos divertimos muito. Esse ano não foi exceção. Embora tenhamos ganhado alguns prêmios legais! Não as tradicionais medalhas de ouro / prata / bronze nossa-cerveja-é-considerada-a-melhor-da-classe-neste-estilo em particular, mas coisas das quais definitivamente nos orgulhamos mesmo assim. (Além disso, já sabemos que nossa cerveja é deliciosa. E vamos supor que você concorda, já que está reservando um tempo para ler esta pequena missiva.) Primeiro? Alcançando o 2º lugar no altamente respeitado Alpha King Challenge com nosso último lote de Stone, devastadoramente fresco, Enjoy By IPA. O Alpha King Challenge é organizado todos os anos pela Hopunion, Brewing News Publications e Three Floyds Brewing Company, e "uma equipe de cervejeiros e escritores veteranos de cerveja testam o vigor das descobertas lupuladas de cada ano e coroam um novo Alpha King, julgando sua cerveja para ser o Santo Graal das cervejas bem balanceadas e bebíveis, mas com muito lúpulo. " De 168 inscrições, Mitch e a equipe orgulhosamente receberam as honras do topo, com a coroa deste ano indo para o restaurante Thai Me Up e o delicioso (!) 2x4 Imperial IPA da cervejaria. Parabéns a eles e, claro, à nossa incrível equipe de fabricação de cerveja por continuar a bombear bebidas incríveis durante todo o ano. Nosso outro doce prêmio? Recebendo o GABF Festival Flair Award, reconhecendo a grandiosidade do design do nosso estande! O fato é que consideramos este ano uma grande revisão do nosso estande do festival. Nós esbanjamos um pouco e conseguimos um dos grandes espaços finais que a) vamos servir uma variedade maior de cervejas para nossos fãs experimentarem, eb) nos custar um pouco mais, mas ficamos felizes em pagar alguns centavos extras para apoiar todo o trabalho que a Brewers Association realiza para esta grande indústria à qual pertencemos. Com isso, investimos muito no design, e prêmio ou não, valeu a pena. Não poderíamos ter ficado mais felizes com o resultado, e todos os fãs incríveis de Stone que passaram por ali não puderam deixar de comentar o quanto parecia que uma fatia do Stone Brewing World Bistro & amp Gardens tinha chegado ao GABF .

Parabéns aos membros da Equipe Stone que trabalharam tanto para torná-lo realidade. Isso mesmo. Team Stone. Nenhuma empresa externa de estande comercial. Isso era TODOS NÓS.

No lado do design, o Diretor de Criação Mike Palmer e o Artista Gráfico Sênior Stephen Brucher lideraram uma equipe incluindo Jade Blessinger e Todd Colburn, com muitos comentários construtivos de Greg. Para construção / fabricação: Ron Allen, John Beckett, Daniel Branch, Paul Delaurentis, Brandon Holmes, Joshua Lichtman e Scott Merry devem agradecer. Dali, Lache King, Jim Poer e Paul Wayling o empacotaram com muito cuidado para que chegasse a Denver com segurança. Assim que chegou, toda a nossa equipe GABF foi para a cidade juntando os pedaços.

Trabalhando duro na montagem: Jason Armstrong, Arlan Arnsten, Stephen Brucher, Chris Cantrell, Matt Courtright, Jessica Gilman, Greg Koch, Padraic Lenehan, Jeremy Moynier, Jamie Reyes, Chris Sartori, Marty Saylor, Mitch Steele, Eric Szaras e Karen Westfall. (Estas também foram as pessoas excelentes que lhe derramaram sua cerveja se você viesse por este glorioso estande gigante! Viva isso!)

Deixe fluir, deixe fluir, deixe fluir.

Ao todo, foi mais uma excursão divertida e bem-sucedida do GABF. E enquanto ainda estamos nos recuperando um pouco do turbilhão de eventos e emoção, podemos dizer honestamente. não podemos esperar pelo próximo ano.

É seguro dizer que as pessoas ficaram muito entusiasmadas com o estande. Ou as cervejas. Ou ambos.

A equipe GABF do Team Stone destruiu o estande em tempo recorde. É claro que as cervejas estavam em ordem imediatamente depois.


Great American Beer Festival: 5 coisas que amamos - receitas

Nós realmente AMAMOS uma boa cerveja! A HopSaint Brewing Company oferece ótimas sensações de sabor por meio de
variedade, artesanato de qualidade, ingredientes naturais e técnicas tradicionais consagradas pelo tempo.
Sem atalhos. Adoramos sair da caixa, experimentar coisas novas e esperamos que você goste também!
Exemplos de ofertas abaixo. Clique no botão de menu para ver a lista mais recente.

HELLES LAGER

Uma cerveja estilo alemão Ultra lite.
Bready e pastoso com um pano limpo,
acabamento liso.
4,8% ABV * 18 IBUs

WIT IMPREVISÍVEL

Um Witbier de estilo belga. Ale de trigo agradavelmente pastosa, refrescante e saborosa, com sutis notas de cravo do fermento.
4,8% ABV * 11 IBUs

FISTFUL OF PEEL

Nossa temporada de primavera é baseada em uma cerveja de trigo de estilo belga. Pilsner, trigo, malte mel e alguns flocos de aveia, com mais de 45 quilos de purê de tangerinas Murcott frescas de nossos amigos da Fazenda Familiar Regier. A adição de frutas combina perfeitamente com este estilo de cerveja.
5,3% ABV 15 IBUs

KOLSCH SUFICIENTE

Um Kolsch de estilo alemão feito com malte pilsner e trigo. As notas clássicas de maçã e pêra da cepa especial de levedura utilizada tornam este leve refrescante complexo e agradável. Medalha de ouro no LA International Beer Competition 2019!
5,3% ABV * 20 IBUs

PURA INTENÇÃO

Pale Ale com um toque de maltes especiais e dry-hopped com Mosaic e El Dorado. Tropical, com lúpulo e delicioso. Medalha de ouro no LA International Beer Competition de 2019 e medalha de prata no Great American Beer Festival 2017!
5,7% ABV * 45 IBUs

TRAZER O RUÍDO

NE-Style Hazy IPA com jateamento com caráter suculento de lúpulo. Os lúpulos Simcoe, Citra, Rakau, Taihete e Loral somam um sabor complexo e frutado. Notas de frutas tropicais e cítricas dominam o paladar com um aroma tipo fruta-no-vidro.
6,9% ABV * 40 IBUs

HOPSAINT IPA

Então, ouvimos que você gosta do IPA? Você vai querer pegar um copo disso então. Este West Coast IPA foi criado para satisfazer os adeptos do lúpulo e também os críticos. Brilhante, tropical e limpo!
7,1% ABV * 55 IBUs

NENHUM FLOCS DADO

Hazy DIPA, ou NE-DIPA, com uma sensação bucal equilibrada e teor de álcool. Montes de Citra wholecone e pellet lúpulos usados ​​no hop back e no redemoinho. Também não optamos pelo dry-hop, mosaico, loral e GR Blanc para obter notas maciças de suculência de frutas tropicais.
8,0% ABV * 35 IBUs

CHOCOLATE TRIP

Decadente e suave, este é um porter para os amantes do chocolate. Usamos cacau real para uma camada de chocolate inconfundível que se funde perfeitamente com a cerveja-base.
6,0% ABV * 25 IBUs

Nossa cervejaria é um sistema de 10bbl que nos permitirá mostrar nossa seleção excepcional de cervejas sazonais. O mestre cervejeiro do HopSaint, Brian Brewer (sim, esse é o seu nome verdadeiro!) Pretende fazer algum envelhecimento em barris com algumas de suas pequenas cervejas artesanais.

HOPSAINT RECEBE MEDALHAS DE OURO DUPLAS
Concurso Internacional de Cerveja de Los Angeles 2019

Estabelecido em 2000, o Los Angeles International Beer Competition anual reúne um estimado painel de jurados. A competição usa um método de degustação às cegas para premiar as melhores cervejas do mundo com medalhas.

HopSaint levou para casa duas medalhas de ouro!

• Kolsch de estilo alemão: Kolsch do HopSaint suficiente

• Pale Ale de estilo australiano: a intenção pura do HopSaint

Todos na HopSaint têm orgulho das vitórias e são humildes por estar na companhia de cervejarias que respeitamos.

Apelidado de "o Oscar do mundo dos cervejeiros", o Great American Beer Festival (GABF), realizado em Denver, reuniu 8.000 cervejas em 98 categorias diferentes durante o fim de semana de 7 de outubro de 2017. HopSaint concorreu e foi premiado com o medalha de prata para Pure Intention Pale Ale na categoria "Australian Style ou International-Style Pale Ale".

O mestre cervejeiro do HopSaint, Brian Brewer, disse: "Estamos muito emocionados e entusiasmados por sermos reconhecidos por nosso trabalho árduo! Muito obrigado a todos os nossos clientes e fãs pelo apoio."


Great American Beer Festival: 5 coisas que amamos - receitas

Você está usando um navegador desatualizado não suportado pela American Homebrewers Association.
Por favor, considere a atualização!

Compartilhar postagem

Atrás de cada grande cervejaria estão cervejeiros artesanais qualificados. Esses homens e mulheres derramam sangue, suor e lágrimas para trazer sua gama de cervejas tradicionais e mais experimentais para os nossos copos. Mas o que você talvez não saiba é que muitos desses cervejeiros artesanais profissionais tiveram um início humilde como cervejeiros caseiros em suas garagens e quintais.

Como há mais de 1,1 milhão de americanos que fabricam cerveja em casa, procuramos cervejeiros artesanais (e alguns fabricantes de hidromel) em todo o país para compilar uma lista de receitas comerciais de clones de cerveja.

Examinando esta lista, você encontrará uma receita clone de uma cervejaria artesanal em cada estado, reduzida para um tamanho de lote de 5 a 10 galões para que você possa se divertir fazendo essas receitas comerciais de cerveja clone em sua cervejaria doméstica.

Todas as cervejarias apresentadas aqui são cervejarias artesanais pequenas e independentes. The independent craft brewer seal is a helpful tool for you to easily identify and support #IndependentBeer. Learn more about small and independent craft breweries on CraftBeer.com.

Alabama

Back Forty Beer Co. Truck Stop Honey Brown Ale

Truck Stop Honey is Back Forty Beer Company’s flagship which won a Great American Beer Festival silver medal the same year it debuted in 2011! The wildflower honey gives this close to traditional English brown ale a slightly sweet finish.

Alasca

Denali Brewing Co. Mother Ale Blonde

Mother Ale is the lightest of Denali Brewing’s lineup of signature ales. This blonde ale is brewed with pilsner and wheat malts, hopped with American and European hops and fermented with lager yeast at warm ale temperatures.

Arizona

Pedal Haus Brewery Biere Blanche Belgian Witbier

A gold medal winner in the 2018 Great American Beer Festival, this traditional witbier from Pedal Haus Brewery features Moraccan orange peel and coriander.

Arkansas

Ozark Beer Co. Belgian Golden Ale

Ozark Beer Co. brews this tradiational Belgian golden with pilsen malt and noble hops that lend aromas of apples and pears. The perfectly timed hop additions makes it a light, dry and very refreshing homebrew.

Califórnia

Ladyface Ale Companie La Grisette

La Grisette is a thirst-quenching Belgian farmhouse ale akin to saison, which earned Ladyface Ale Companie a silver in the 2018 Las Angeles International Beer Competition.

Colorado

Odell Brewing Company 90 Shilling Ale

Only the highest quality beers were taxed 90 shillings in the old Scottish taxing system! You’ll find this amber ale brilliantly refreshing and worth every shilling.

Connecticut

Two Roads Brewing Co. Worker’s Comp Farmhouse Ale

This beer is named for the concept of compensating migrant farm workers of yore with beer as part of their pay. Imagining these farms beers were brewed with a variety of surplus grains, Two Roads Brewing crafted this saison with a blend of grains for a subtle complexity.

Delaware

Crooked Hammock Brewery Haulin’ Oats Milk Stout

This dark roasted sweet stout is heavy in body and color but light in its mouthfeel thanks to rolled oats and lactose, providing an underlying sweetness that is sure to make your dreams come true.

Flórida

Perfect Plain Brewing Co. Holy Spin American IPA

Dubbed the Holy Spin, the third spin of a vinyl record is known to be when the tunes are at their best. This recipe was the third turn of their brewhouse and is dry-hopped, abundantly so, with citra hops!

Georgia

Good Word Brewing Never Sleep New England IPA

This hazy IPA is described as “juicy” without being overly sweet thanks to Vic Secret and Citra hops. Pilsner malt dominates alongside English pale malt and oats for a little more body and mouthfeel.

Havaí

Honolulu BeerWorks CocoWeizen

Instead of a commonly thought of coconut dark beer, this German-style coconut hefeweizen is a lighter-bodied beer inspired by one Honolulu Beer Works brewer’s wife.

Idaho

Boise Brewing Dark Daisy Chocolate Milk Stout

Boise Brewing uses two different types of chocolate malt plus a touch or roast to get the dark chocolate character. Paired with the sweetness from lactose, this is chocolate-y brew!

Illinois

Corridor Brewery Wizard Fight American IPA

Corridor Brewery’s flagship beer that features a plethora of cool kid hops including Mosaic, Citra, and El Dorado create a citrus and tropical paradise.

Indiana

Triton Brewing Co. Fieldhouse Wheat

This American wheat ale is a 2017 Great American Beer Festival bronze medal winner from Indiana. The golden color, white head and crisp flavor will satisfy any wheat lovers cravings.

Exile Brewing Company Sir Moch-A-Lot Mocha Stout

“I like big stouts and I cannot lie.” Exile Brewing’s mocha stout is brewed with Brazilian coffee beans from their neighbors up the street, Horizon Line. Roasted coffee and chocolate bitterness balance its smooth malty sweetness.

Kansas

Nortons Brewing Co. Don’t Poke the Bear Milk Stout

Named by the brewer’s child, Poke the Bear is a tasty milk stout with notes of chocolate and vanilla. With an “imperial” twist, this milk stout really packs a punch!

Kentucky

Dreaming Creek Brewery 1792 Kentucky Common

The Kentucky common was a once popular recipe that originated in the Louisville, Kentucky area. Lost to Prohibition and recently resurrected, this has once again become a popular style of beer across the Bluegrass state and beyond.

Louisiana

Parleaux Beer Lab Lemony Sippit Lager

This hopped-up take on a classic American lager is whirlpooled with lemongrass and then dry-hopped with Lemondrop hops, lending it a rich, bright aroma with a smooth lemon candy-like finish.

Maine

Bissel Brothers Brewing The Substance New England IPA

The Substance from Bissel Brothers Brewing Co. flirts with the new world IPA style in a way that intrigues and compels, adding complexity and not detracting from the beer.

Maryland

Denizens Brewing Co. Lowest Lord ESB

This extra special bitter is a more hop-forward version of the English bitter from Denizens. With classic ESB notes of toffee and biscuit, they use a mix of English and American hops to create a floral and herbal balance with the malt.

Massachusetts

Night Shift Brewing Matisse Classic Saison

This is a classic, peppery, dry saison. A simple grist coupled with an assertive bittering hop addition help accentuate the dry characteristics and give a solid base for the phenols from the yeast.

Michigan

Jolly Pumpkin Artisan Ales Bam Biére

This farmhouse ale is named after Jolly Pumpkin’s Jack Russell, who after being struck by a car bounced back in tenacious Jack Russell fashion. It’s golden, naturally cloudy, bottle conditioned and dry hopped for a perfect flavor balance.

Minnesota

Lupulin Brewing Straight Hash Homie IPA

This appropriately named IPA is made with pure Lupulin powder, paying homage to the brewery’s name. The bursting tropical flavors and soft bitterness may fool you, but no pellet or hop touched this beer. Brew your own and see what you think!

Mississippi

Biloxi Brewing Company Pale Ale

This is Biloxi’s sessionable pale ale that bursts with grapefruit flavors and aromas from the generous amount of Citra hops used, especially in the dry hop addition.

Missouri

Missouri Beer Company English Dark Mild

This malt-focused session ale from Missouri Beer Company is dark, low gravity and really refreshing. The low ABV makes the English dark mild suited for session drinking.

Montana

Outlaw Brewing Udder Madness Chocolate Milk Stout

Winter can be long and cold in Montana, leaving a beer with a bit more body to be desired. Outlaw Brewing has come to love this beer for its full body, rich mouthfeel, and utter deliciousness.

Nebraska

Boiler Brewing Co. Bobber’s Big Red Rye Pale Ale

Brewed in collaboration with a local homebrewer, the spicy rye notes of this pale ale blend perfectly with the new school Mosaic hops that it’s hard to tell where the rye ends and the hops begin.

Nova Jersey

River Horse Brewing Company Tripel Horse

Tripel Horse has been the flagship beer of River Horse since the company was founded in 1996. This dark gold Belgian tripel has hints of clove, coriander and banana all packed into a 10% ABV beer.

Novo México

Red Door Brewing Company New England IPA

This juicy and hazy India pale ale features an intense tropical fruit and floral nose. This is a perfect choice for warm weather.

Nova york

Great South Bay Brewery Massive IPA

Let’s just say this Massive IPA from New York’s Great South Bay Brewery doesn’t skimp on the hops! With a hefty dose of flameout hops, Massive IPA is packed full of American hop flavor and aroma.

Carolina do Norte

Wedge Brewing Co. Golem Belgian Strong Pale Ale

Named Golem after Led Zeppelin’s lyric in “Ramble On,” this Belgian golden strong ale has evolved over the years into a perfect balance of malt sweetness, yeast esters and Czech Saaz.

Dakota do Norte

Fargo Brewing Company Wood Chipper IPA

Horizon hops and oats provide a sleek, velvety body and balanced bitterness while pounds per barrel of Cascade, Centennial, Chinook and Simcoe hops give this IPA waves of citrus and pine flavors. That’s one delicious beer eh? Oh yeah, you betcha!

Seventh Son Brewing Co. Oubliette Russian Imperial Stout

This nearly opaque imperial stout from Seventh Son Brewing Co. boasts hints of plum, dark cocoa and a pleasing warm alcohol finish. Oubliette may be the french word for dark forgotten dungeon, but you are guaranteed to remember this dark stout.

Oklahoma

Iron Monk Brewing Co. Velvet Antler Amber

Iron Monk brewing’s American amber ale is very malt-forward and smooth. They hear from fans all the time that this is their all-time favorite beer, and we think you’ll agree once you brew some yourself!

Oregon

Von Ebert Brewing Sabrage Brut IPA

Sabrage /səˈbrɑːʒ/ is the technique for opening a champagne bottle with a saber. This recipe is dry and effervescent, with minimal bitterness and hop character that’s dominated by grapefruit-heavy Citra and a touch of resinous Chinook.

Pensilvânia

Church Brew Works Pious Monk Dunkel

This dark-style lager from the Church Brew Works is based on a 150-year-old recipe from Munich, Germany. This version is slightly darker and surprisingly easy drinking with a low ABV and crisp finish.

Rhode Island

Providence Brewing Company Battlecow Galacticose New England IPA

Bursting with mango, orange and pineapple flavors, this juicy-yet-dank milkshake New England IPA from Providence Brewing Company will have you begging for another sip.

Carolina do Sul

Holy City Brewing Pluff Mud Porter

Holy City’s Pluff Mud Porter presents (and smells) like a classic porter, with subtle chocolate notes and a silky finish, but the medium body and tame ABV keep it refreshing at all times. Enjoy this throughout the year, in or out of the marsh.

Dakota do Sul

Crow Peak Brewing Co. Pile ‘O Dirt Porter

This beer was named Pile ‘O Dirt because of the ridiculous amount of dirt Crow Peak Brewing had to build their original brewery on to get them out of the flood plain. This porter is very dark in color with a nice tan head and complexity due to the variety of specialty malts used.

Tennessee

Tennessee Valley Brewing Co. DIVARTY Redlegs

DIVARTY Red Legs is named in honor of brave Division Artillery soldiers. This is an Irish red ale that’s really easy drinking with slight malty flavor, a soft touch of caramel and lightly roasty finish.

Texas

Jester King Brewery Figlet Farmhouse Amber Ale

This dry farmhouse ale called Figlet is a real Texas gem! Jester King Brewery stayed true to Texas style by incorporating locally-sourced cold-smoked figs into the recipe.

Red Rock Brewing Black Bier

This German-style dark lager is a classic schwarzbier that won a gold medal at the 2010 Great American Beer Festival. Its unusually dark color is gained from four different malts and very light hopping that make it a sessionable black lager.

Vermont

Whetstone Station Brewery Whetstoner Session IPA

This bright and delicious session IPA features Simcoe, Amarillo and Citra hops. While it’s hazy, aromatic and full of flavor, at just 4.5% ABV this crisp beer is perfect for when you’ve got thirst that needs quenching.

Virgínia

Strangeways Brewing Martian Spring Biere de Mars

This is based on the classic Bière de Garde style, but with an extra kick of hops to make it more of a Bière de Mars. This might be a classic style, but American hops and dry-hopping make this a pretty unique take!

Washington

Reuben’s Brews Robust Porter

One of Reuben’s Brews year round beers, this robust porter was one of the first beers brewed when they opened in 2012. Brewmaster Adam Robbings came up with the recipe as a homebrewer and he won gold the first three competitions with the very first batch!

Washington DC.

Atlas Brew Works Rowdy Rye Ale

Atlas Brew Works in Washington D.C. created this hop-forward rye ale that is both fun and aggressive. Using a large amount of specialty malts and three hop varieties, it is sure to get rye ale lovers’ attention.

West Virginia

Big Timber Brewing Porter

This well balanced, yet complex porter derives all of its flavor from loads of specialty malts. The recipe has remained virtually unchanged, and this beer and can only be found in West Virginia.

Wisconsin

Earth Rider Brewery Precious Material Helles

This export helles was inspired by Augustiner Edelstoff, which the Earth Rider founder fell in love with on a trip to Bavaria. Precious Material packs a bigger punch with a slightly elevated hop character compared to a standard helles.

Wyoming

Roadhouse Brewing Co. Family Vacation Cream Ale

Family Vacation was originally brewed to quench the thirst of locals coming back from a day of skiing and was inspired by a wildly popular Midwestern brewed cream ale. Over the years, Roadhouse has taken the liberty of adjusting the recipe to ensure it’s always crushable!


Brewers' Perspectives: Making Pastry Stouts and Beers

In beer circles these days, ask about a "pastry beer" and get ready to receive an earful. It's a style that's not actually a style and includes beers that either don't contain pastry ingredients or mimic pastry. Still, there's no denying the popularity.

Photo courtesy of Coronado Brewing Co.

At the Village Idiot Brewing Company in Mount Holly, New Jersey, Vince Masciandaro has a system to his tap handles. The majority of the beers are solid, traditional, by-the-book BJCP styles such as blond ale, pale ale, and bitter. Then there are the three taps at the end that he calls “the dessert corner,” where you’ll find beers such as his Monkey’s Breath Banana Bread ale, which has a permanent nitro tap.

“I haven’t been able to get away from it because people expect it to be on tap,” he says. The brewery serves Monkey’s Breath in a cinnamon sugar–rimmed glass. There was a time when beer tasted like, well, beer. Then brewers took off the restraints and started adding all sorts of ingredients into ales and lagers soon enough they were trying to make beers that mimicked foods. That’s where we are today, especially in the dessert category. While self-proclaimed purists might decry this trend, brewers know that having on offer a beer that satisfies a sweet tooth is a sure-fire moneymaker and a way to draw new customers into the larger fold.

Darwinism

“There’s definitely a trend toward beers inspired by other things that aren’t drinks,” says Mark Theisen, the head brewer at Coronado Brewing Company. “It’s Darwinism, where you have to evolve and make interesting things and become known for original beers and have something unique that allows you to be at the forefront of people’s minds.”

That could explain why the San Diego–area brewery went in a decidedly non-hops-forward direction for its twenty first anniversary beer. Instead, they released a German chocolate cake version of their Stupid Stout, a riff on the celebratory dessert baked for such important occasions. Already having a solid stout base helped, and then the team worked backward, teasing out the flavors that make the cake famous and finding ways to incorporate them into the beer.

The anniversary beer was so well received that the brewers took it a step further to create a bourbon barrel–aged version, and here Theisen found that the key was layering flavors just as a baker would. The forthcoming beer is a blend of old and young, with special ingredients added over time. They started with their imperial stout, made with a higher starting gravity—“we used a higher mash temperature on it,” he says—and then finished on unfermentable sugars in the barrels along with some cherries, and aged. Closer to blending time, they brewed a younger, regular version of the stout and added 50 pounds of toasted coconut along with cacao nibs. They blended the two stouts until they had a boozy cake-like brew, and they were left with a “dessert-like experience. That’s what we were going for. A 9 percent ABV beer—it’s that end of your meal kind of thing.”

There’s a Beer in There

Theisen and other brewers talk of processes and of pitfalls of using certain ingredients and wonder at times whether this trend isn’t akin to a dog chasing its tail. However, all of them come back to the central point that no matter the flavoring, the dessert homage, or the sugar content, the final product must still resemble beer.

“I’m a brewer and I respect that there’s a beer in there,” says Steve Altimari, the brewmaster and president at California’s High Water Brewing, of his Campfire Stout, a s’mores-inspired beer. “This is not a sipping dessert beer I wanted to make something people want a pint of.” It’s won gold—twice—at the Great American Beer Festival in the specialty beer category, and Altimari says that it quickly became the brewery’s flagship, comparing its reception to “lightning in a bottle.”

Altimari tried several different ingredients and methods before settling on the recipe known and loved today. A factory in Indiana ships 4,600 pounds of graham cracker meal to his brewery before every brew day. For the chocolate flavor, he uses Carafa malt with a bit of added vanilla. The marshmallow is a flavor that Altimari is quick to call “all natural.” With some molasses for a bit of extra depth and mouthfeel, the result isn’t too far off from the summer camping treat, albeit in liquid form.

Suggestion of a Flavor

When embarking on a new recipe for one of these dessert-inspired beers, brewers say that the big thing to remember is to research ingredients that are unfamiliar. Like many before them, the brewers at Coronado had a dickens of a time with coconut.

“You can end up with something that tastes like sunscreen, and that’s not an enjoyable flavor,” says Theisen. “Also, you can get so much oil from the coconut that you can get an oily beer, meaning zero head retention, and no one wants that.” In the end, brewers say to err on the conservative side with the reminder that you can always scale up. The best results are usually where there’s a suggestion of flavor, where the drinker has his/her own experience finding the special flavor rather than being hit over the head with it.

Theisen is getting to work on his next project: a beer inspired by a glazed lemon croissant like the ones served at his favorite local bakery. He’s planning to use lactose to simulate the creaminess of the sugary icing, dosing the beer with both lemon zest and berry puree and complementing the whole thing with hops that have citrus and red-fruit notes.

It’ll get a turn on the brewery’s 10-barrel pub system first. “If it’s not where we want it to be, we can dump it and try again, or we can put it on tap and get feedback to help us get it to a point where it’s ready to scale up.”


10. Clarify

Clear, bright beer is a beautiful thing and often a sign that excess polyphenols have been removed. Southern Hemisphere hop varieties often have elevated levels of these polyphenols. Clarifying beer can be done with finings in the fermentation vessel, but it’s ideal to add them in the “brite tank” or, in the homebrewer’s case, a Corny keg. Finings like gelatin and BioFine will work well. Gelatin has a high affinity for dropping polyphenols out of suspension and creating crystal-clear beer.

Keep in mind that introducing oxygen can have unfavorable, staling effects on hop character, so it’s important to try to eliminate it when transferring the finished beer. Using carbon dioxide to push the beer into a keg to avoid oxygen contact is ideal.

Carbonate the beer to 2.5 volumes (5 g/L), and your West Coast IPA will be ready to drink in no time.

Duncan Bryant is the Web Editor at the American Homebrewers Association.


Assista o vídeo: Wielki festiwal


Comentários:

  1. Winston

    Você está absolutamente certo.Neste algo é que eu acho que é um bom pensamento.

  2. Wakeman

    Sim, tudo é lógico

  3. Taregan

    tudo?

  4. Maurg

    que vou acabar por uma semana agora

  5. Shasida

    Não, sua empresa!

  6. Rudiger

    ocorreu um erro



Escreve uma mensagem